quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

FEIO





É já no próximo sábado, 14 de Dezembro, que vai decorrer a quarta sessão do Festival FEIO – Festa de Escritas, Improvisos e Oralidades, evento literário que inclui leituras poéticas, leituras encenadas e declamação, na livraria Menina e Moça (Rua Nova do Carvalho, ao Cais do Sodré) das 15H00 às 19H30.

Com…

Ana Marques, Andréa Zamorano, Andreia Azevedo Moreira, Carlos Martins, Catarina Santiago Costa, Cláudia Lucas Chéu, Cláudia Marques Santos, Elsa Caetano, Filipa Martins, Filipa Melo, Filipe Homem Fonseca, Francisco Resende, Gisela Casimiro, Jan Pardal, João M. Nogueira, João Paulo Cotrim, João Ricardo Pedro, José Luíz Tavares, José Navarro de Andrade, José Valente, Júlia Zuza, Luís Bento, Luís Carmelo, Luís Osório, Maria Quintans, Miguel Amaral, Miguel Martins, Mónia Camacho, Nelson Nunes, Nuno Miguel Guedes, Nuno Moura,  Onésimo Teotónio de Almeida, Paulo José Miranda, Pedro Loureiro, Raquel Serejo Martins, Rita Taborda Duarte, Rita Wengorovius, Víton Araújo

Apareçam!

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

O NARRADOR NUM DOURADO DOMINGO DE INVERNO





O meu conto na edição de Novembro da Revista Athena

A vida transformara-se numa obsessão entre paixões e dor a correr no sangue, rio de cicatrizes com a felicidade a desvanecer-se de noite, no lento ronronar do frigorífico estafado pelos vinte anos de uso permanente, a lâmpada interior a tremelicar por mau contacto, a que era preciso dar umas cacetadas, com bolor entranhado nos cantos e meia cebola cortada, colocada no compartimento dos ovos para absorver os maus odores. Tirava uma ou duas fatias de presunto da embalagem de plástico e comia como um bruto, um metro e oitenta de vontade, um monólito que gostaria de criar um narrador para a sua vida. Sempre achara piada aos narradores que sabiam tudo o que ia dentro da cabeça das personagens desamparadas numa espécie de redenção, das alegrias à infelicidade com hipocrisia e compaixão à mistura, alguém que falasse por si, desenvolvesse os episódios e as cenas e lhe desse alguma unidade interna.
Os dias, embora se sucedessem, não eram todos iguais, tinham feitios, eram de humores. Uma manhã de segunda, em Agosto, não era o mesmo que uma segunda de manhã no Natal. Imaginava, por isso, quando fosse mais velho, fazer finca-pé nos dias e estendê-los, uma vez que entendia que a humanidade não era mais que tempo e linguagem, com alguma memória à mistura e depois morria-se e deixava-se cá a merda toda para limpar, sem ninguém encarregue pela mudança, com a culpa a morrer solteira, não necessariamente virgem.
Em tempos, mantivera uma relação já com muitas dúvidas e tentativas, um ensaio de laboratório, que não resistiu ao tempo por parte dela e a uma universitária de piercing no umbigo por parte dele, que, por sua vez, também não resistira à sua falta de cultura e ao facto de ela não saber fazer molho béchamel, condenada à partida, a uns metros de escrita e vontades do narrador, quando num dourado domingo de outono, enquanto na cidade as pessoas viviam, sem história, no Centro Comercial, ele despejou um par de boxers, o computador portátil e uns livros para dentro de uma caixa de cartão que enfiou dentro do carro e se fez à estrada, para onde o tempo fosse manso e pudesse começar tudo de novo. Morreu, pouco tempo depois, numa curva feita a direito, com um sorriso que ninguém notou. Só comentaram que havia pouca gente no funeral.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

DESCANSO DO PEÇOAL


Imagem de alguém que não descansa

Com ou sem acordo ortográfico há que dar descanso ao pessoal...

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

GAZETA DE POESIA INÉDITA





Muito grato ao José Pascoal que mantém, há bastante tempo, um blog de divulgação de poesia e que teve a amabilidade de publicar um texto meu.

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

DO ENTERTAINER DE BELÉM





Boom... É que nem encontro as alheiras, nem vejo o relatório sobre Tancos, nem o buraco do Novo Banco...


MARCADORES DE LIVROS CONTAM HISTÓRIAS NA BIBLIOTECA DE CASTRO MARIM




Marcadores de Livros contam histórias na Biblioteca Municipal de Castro Marim


"Da autoria de Guida Bruno, esta exposição reúne centenas de marcadores de livros de todo o mundo e pretende proporcionar uma viagem intercultural, apoiando-se em aspetos como a sua utilização, os materiais de confeção ou a exigência na produção, que revelam alguns aspetos de natureza publicitária e sociológica."

“São excelentes guardiões de memórias, para além de marcar a página" na opinião da organizadora, nascida em 1951, contadora de histórias e promotora de leitura, bibliotecária de formação e com um grande amor pelos livros.

Esta exposição estará patente na Biblioteca Municipal de Castro Marim até ao final do mês de setembro, podendo ser visitadas nos dias úteis, das 09h30 às 13h00 e 14h30 às 18h00.

terça-feira, 16 de julho de 2019

O CINZENTO E AS SOMBRAS






Para além da arte de esperar, a vida dele acabara por se tornar num palco decadente, passe a redundância do vazio ou a vulgaridade da imagem, atravessado, ao fundo, por vários focos de luz num eterno estado de ensaio, drama que lhe mostrava as saudades que tinha dela e dessa vida anterior assente na inocência, espécie de vírgula do pensamento, pausa que o ajudava a perceber que a sua vida corria, agora, quase todas as tonalidades de cinzento.

domingo, 16 de junho de 2019

DENTRO DE UM VERSO



Paul Harton

Dentro de um verso cabe, praticamente, qualquer coisa…
          Do banal à substância,
Sobra o vinho e o verbo,
          Os nossos Corpos em brasa
E o amanhecer que ainda dorme.

In, Des Existir do Improviso

segunda-feira, 10 de junho de 2019

VIVA O 10 DE JUNHO!





Berardo não tem dívidas, Ricardo Salgado é um lesado, Constâncio é míope, mas sério, Sócrates vive na Ericeira sem nada de seu, César não tem uma família numerosa, a Administração Pública é que é pequena, Marcelo teme uma crise na UEFA e Lisboa é uma cidade medieval onde não cabe agulha num palheiro nem cavalo num palácio. Oh, ditosa Pátria que tais milagres tem!

Viva o 10 de Junho e outros feriados para festejar! Viva!

domingo, 2 de junho de 2019

FEIRA DO LIVRO - MOMENTOS









Algumas imagens de um momento muito bom, oportunidade de reencontrar família e amigos, tal a excitação do momento que nem nos lembrámos da foto de grupo...


quinta-feira, 23 de maio de 2019

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS





Caríssimas, caríssimos e tutti quanti, marquem lá na agenda a vossa presença na sessão de autógrafos de "Des Existir do Improviso", Prémio Nacional de poesia de Fânzeres 2018 na Feira do Livro de Lisboa!

sábado, 11 de maio de 2019

JOE BERARDO - NÃO TENHO DÍVIDAS EM MEU NOME




Estavam à espera do quê?

Uma casa que nomeia primos, sobrinhos, ex e actuais amigos, amantes e companheiros para cargos públicos, que paga viagens fantasmas, aceita bilhetes para o futebol e pica o ponto dos faltosos... 

Da Madre Teresa de Calcutá a benzer a notificação de penhora?... Vá lá, o comendador não se ter lembrado de lhes oferecer entradas "grátes" para o CCB...


quarta-feira, 17 de abril de 2019

MORAR NOS OLHOS DE UM GATO

Esboço de Maria de Fátima Santos


Conheci a Maria de Fátima Santos por ocasião do Prémio Novos Talentos da Literatura FNAC em 2012. Depois disso já passámos por outros prémios, colectâneas e menções honrosas. Andarilhos esforçados das letras, ainda assim, insuficientes para convencer editoras com falta de ousadia e resposta, vamos partilhando a nossa arte por aqui... e por ali... A Maria de Fátima, além de escrever bem, desenha melhor ainda. Os seus esboços são um convite ao texto, crónica esta que nasceu, aqui em baixo, nos olhos do gato. Aproveito para lhe lançar daqui o desafio: E porque não desenvolver um romance, em conjunto, texto e imagem, para participar no próximo prémio literário de vulto? A produção da Maria de Fátima Santos encontram-na aqui

Sempre que a humidade da manhã se torna mais densa deixo-me ficar em casa a coleccionar doenças e alergias, herança do lado tóxico materno, dividida entre a felicidade com aval garantido em likes no Facebook e a vacuidade de uma vida insípida enfiada em setenta metros quadrados hipotecados ao banco, na periferia de Lisboa. 
Comecei a dar a ração aos gatos em pratinhos da vista alegre, dos castanhos, daqueles mais caros. Aquilo não podia ir à máquina e com os dourados a desaparecer e sem ninguém a quem deixar enxoval... Acabei por não casar, por feitio e comodismo, ciosa dos tarecos, livros e discos, não suportaria a ideia de me andarem a mexer nas coisas, ainda que fosse para arrumar. A empregada que faz a limpeza e passa a ferro às quartas-feiras bem me conhece, tem muita paciência, não responde, não resmunga, é quase certo que era impossível encontrar um homem assim. Habituei-me a viver só, sem filhos, a ideia da garotada a espalhar brinquedos, a partir coisas, a sujar o chão, aniversários, doces, reuniões na escola e o diabo a quatro, complicava-me com os nervos, além disso nunca tive talento para filha, dificilmente teria jeito para mãe. Vivo, simplesmente, sem preocupações, ordens ou horários, faço sandes sem deixar cair migalhas no chão, não reclamo da natureza das coisas, deixo-me estar quieta, com um bom livro e um copo de vinho, descanso, enquanto o universo faz das suas.  

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

ENTREVISTA COM ANA CRISTINA PEREIRA LEONARDO




Acompanho as suas crónicas no jornal Expresso desde há longo tempo, bem como a sua presença corrosiva e de grande assertividade, nas redes sociais. Não podia ficar indiferente à sua estreia no género romance com o livro "O Centro do Mundo", da Quetzal, bem guardado na minha estante, como documenta a foto. Li-o de uma assentada, fascinou-me a estrutura, as referências literárias, o humor e a solidez de um projecto literário definitivamente consolidado. Ana Cristina Pereira Leonardo é colaboradora do Expresso, onde assina uma crónica e crítica literária, é também tradutora e revisora e teve a generosidade de conceder uma pequena entrevista ao nosso blogue.

1. Como surgiu a ideia para "O Centro do Mundo"?

A ideia surgiu há já uns anos, quando soube da passagem por Olhão - cidade onde nasci - de Boris Skossireff, russo branco nascido na Lituânia com um percurso de aventuras extraordinário que cobre as duas guerras mundiais - passando pela Revolução de 1917, pelo nazismo e pelos gulags da Sibéria -, tendo chegado a ser Rei de Andorra durante uma semana, até acabar preso e expulso do então Principado pelos espanhóis. 

2. "O Centro do Mundo" é um romance com uma estrutura fragmentada onde sobressai uma aturada pesquisa, muita referência histórica e cultural. Quer falar-nos um pouco sobre estes pontos?

Gostava que ficasse claro que "O Centro do Mundo", apesar de ter como ponto de partida/pretexto uma personagem de carne e osso, não é um romance histórico. Não pretende fidelidades nem retratar qualquer época. Pessoalmente, tanto me interessava o russo como Olhão, a "vila da Restauração" cantada por Zeca Afonso. O contraste/ proximidade entre as duas realidades, o pícaro olhanense e o aventureiro ficcionista de si próprio, era o que estava em causa. Dito isto, não acredito muito em narrativas que partem de uma ideia. A literatura é do domínio da palavra. No caso, a organização das palavras foi o mais difícil. Como estruturar uma ficção que não se quer "organizadinha", nem historicamente cronológica, mas que, com risco de se tornar ilegível, não pode ser apenas caos? A estrutura fragmentada - que imita a vida? - calhava a Boris e calhava a Olhão. A Boris, porque ele próprio foi/é um enigma que não se deixa aprisionar e cujo percurso, sobretudo reactivo, se apresenta sob o signo do acaso e da necessidade. A Olhão, porque, sendo um lugar que rebenta pelas costuras de "anarquistas" (ou "comunistas", para roubar a expressão a Raúl Brandão), lida mal com a ordem e a autoridade (incluindo a do narrador). Assim, a estrutura de "O Centro do Mundo", artificialmente natural (?), foi a que me pareceu mais adequada. A pesquisa não foi assim tanta (Boris, que eu saiba, ainda hoje resta por biografar com rigor), e as referências históricas e culturais, olhando-as à posteriori, tanto serviram como divertissement (meu e, espero, do leitor), como diálogo no interior da própria literatura, algo que me parece indispensável a quem escreve. Talvez o que eu pretendesse dar a ler fosse tanto a comicidade como a tragédia, à imagem de muitos dos meus escritores de eleição. Se consegui ou não, os leitores dirão de sua justiça. 

3. Projectos de escrita para o futuro? Algum outro romance na calha?

Trabalhando eu com palavras, não creio, no entanto, que seja obrigatório dar-lhes a forma de romance. Mas, como já disse algures, a ficção pode ser tão aditiva como o sexo. Quanto mais se pratica, mais vontade temos de praticar. Há qualquer coisa na calha, mas vamos ver se ganha forma. 

Muito obrigada.




segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

O ENTERTAINER DE BELÉM






A minha tia, da parte da minha mãe, que sempre me disse que tudo são recordações muito antes do Vítor Espadinha ameaçar o Bruno do Carvalho com duas “bufatadas”, e que sempre me gabou os dotes de escrita e outros que não posso nomear em voz alta, diz que vivemos numa terra de fanecas e besugos, com um entertainer na presidência à espera do cabal apuramento das responsabilidades sobre Tancos, mas a minha tia acha que ele só devia apurar o refogado de lentilhas e o traço com lápis número dois, para desenhar um triângulo isósceles, por causa das figurinhas que vai fazendo para as selfies. A minha tia também sempre me disse que eu era um bruto com pensamentos frívolos e carnais e eu, a bem dizer, sempre preferi a febra ao repolho, mas enquanto vou aguardando pela edição do romance e a entrevista à minha pessoa, mais à minha gata MEX que tem dois olhinhos de um verde vivo onde as papoilas saltitantes marcam mais golos que o clube das toupeiras, vou deitando um olhinho ao que se passa no país e no mundo e se, no mundo, a China já chegou ao lado oculto da lua e na Alemanha as vacas gordas foram pastar para outro lado, aqui, no rectângulo, o entertainer ligou para a “saloia da Malveira” a desejar boa sorte e a encomendar um conjunto de atoalhados.
Parafraseando o Francisco José Viegas, onde anda uma chuva de picaretas quando precisamos dela?