quarta-feira, 18 de maio de 2016

UMA PONTE ENTRE DUAS MORTES



Antony Gomley


A cada passo irrito-me com o absurdo do fascínio que sinto por tudo o que não entendo e que me magoa. O mundo só é grande porque o céu fica acima das estrelas e pergunto-me: o que preciso fazer para me sentir seguro ou livre. Desce o silêncio. Desce sempre, E fico assim hirto, como o filho do meu vizinho de infância que ficava horas a mandar pedrinhas à janela da nossa casa por inveja, porque lhe dava gozo, porque devia andar cansado do seu corpo e com vontade de lhe ordenar que o largasse, se pudesse pendurava-o num cabide e procurava noutro corpo a novidade e então podia gozar a luz do outono, tranquila, a passar num murmúrio e a segredar-lhe que a vida era uma ponte entre duas mortes.