quarta-feira, 21 de março de 2018

POESIA DA PRIMAVERA



Belhoula Amir


Dentro de um verso cabe, praticamente, qualquer coisa…
Do banal à substância,
Sobra o vinho e o verbo, os nossos corpos em brasa
E o amanhecer que ainda dorme.