quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

JANEIRO DE 2056



 
A crónica desta semana na Revista Caliban:



Eles viviam em união de facto, há mais de quarenta anos, desde que se conheceram na colónia C2C de Marte. Uma tarde, quando se encontravam a descansar na sala, o sensor do sinal vital emitiu um alerta sobre ambos e ordenou que se dirigissem ao Centro de Atendimento de Longevidade Elevada. Aí chegados, a equipa de enfermeiros aplicou o scanner para leitura digital que elaborou, de imediato, o diagnóstico preciso, rigoroso e incontestado, com validação final do robot de serviço. Os dados foram comunicados à administração do Centro, aos Serviços Administrativos do Ministério do Bem-Estar Social, da Segurança Nacional, do Recenseamento Demográfico e das empresas de distribuição de notícias, consumo e fornecimento de serviços básicos, bem como à Associação de Supervisão de Robótica.
No Centro de Atendimento de Longevidade Elevada, foi-lhes comunicado que a gravidade da doença detetada, apresentava uma reduzida esperança de vida, não ultrapassando, com cem por cento de probabilidade, os sessenta dias, o que implicava o uso de medicação e meios técnicos de suporte artificial de vida, muito avultados, só autorizados, em casos excecionais, a casais jovens e crianças. O robot elaborou o orçamento e providenciou a autorização e impressão de dois Vauchers para transporte e comida e um item de consumo indiferenciado, com validade de doze horas.
Apanharam um fast-táxi e na loja estatal de consumo standard-hermético, perto do edifício onde moravam, esgotaram o valor do Vaucher na compra de faisão, caviar, trufas, um néctar da Provença premiado com várias medalhas de ouro e um ramo de flores. Já em casa, o robot Homefriend da série II encheu uma jarra com água para colocar as flores, pôs a mesa e foi abrir as camas. Comeram em silêncio, foram deitar-se, despediram-se e o prestável Homefriend série II desligou o serviço de domótica. Na manhã seguinte, o Homefriend série II abre a porta a dois homens de farda azul-marinho, que se apresentam como funcionários da Secretaria de Estado da Orçamentação do Bem-Estar Social, com um tablet, para leitura de uma comunicação do secretário superior e reconhecimento facial.
Seguindo os procedimentos, é-lhes aplicada uma injeção-laser com um composto atordoante de não-retorno.
Morrem em paz e sem dor. Com a ajuda do prestimoso Homefriend série II enfiam os corpos dentro de sacos pretos, selam-nos e colocam-nos numa carrinha de transporte e combustão. Contornam o quarteirão e entram na marginal junto ao rio. Os corpos são incinerados em andamento. Param junto ao Padrão Comemorativo da Colonização de Marte e atiram as cinzas ao rio. Os dois funcionários voltam a entrar na carrinha de transporte e combustão, leem no computador de bordo a nova mensagem que chegou da Secretaria de Estado da Orçamentação do Bem-Estar Social, fazem uma curva de cento e oitenta graus e seguem em direção à casa de uma mulher de trinta e cinco anos, que tem um filho menor com cancro…