segunda-feira, 15 de outubro de 2018

CORPOS





"Sou dois corpos em dias alternados.
Nuns sou instrumento da felicidade e da sabedoria,
Noutros sou produto da razão.
Na maior parte das vezes nenhum deles sai de casa,
limitando-me a olhar, da janela, o mundo que o poeta escreveu."
IN, Des Existir do Improviso

O CUSTO


No fundo é isto… 

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

NO PROGRAMA




Poster Mostra Pública e poesia urbana - 1/2 | É a vida Alvim 3/10/2018

E assim se passou uma manhã em excelente companhia. Grato ao Alvim e a toda a equipa pela sua generosidade e capacidade de divulgação de coisas novas que se fazem por aí.

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

É A VIDA ALVIM





E hoje fui um dos convidados do programa É a vida Alvim do Fernando Alvim, no Canal Q, juntamente com o Bruno Pereira e a Rita Braz para falar de Posters, Poesia, literatura, bric-à-brac e mais umas botas. O programa passa, hoje, à meia noite, na posição 98 da MEO, 70 da NOS e 19 da VODAFONE.


Resta-me agradecer ao Alvim pela sua generosidade e capacidade de divulgação de coisas novas que se fazem por aí e a toda a equipa.


segunda-feira, 1 de outubro de 2018

FOI BONITA A FESTA, PÁ!



Recebendo o prémio das mãos do presidente da União de freguesias de Fânzeres/S. Pedro da Cova Pedro Miguel Vieira



Sessão de auógrafos


Apresentação do livro pela Cláudia Maria Neves, entre Maria José Cardoso e Pedro Miguel Vieira



Para além do prémio monetário e da edição do livro, uma peça muito bonita


"Há, efectivamente, mais vida para além do Orçamento e mais vida para além de Lisboa. Com ideias e vontade se vai desenhando o futuro. Quero aqui registar o meu apreço pelas iniciativas de âmbito cultural levadas a cabo pela Junta da União das freguesias de Fânzeres e S. Pedro da Cova."

Palavras ditas na 24ª edição do Prémio Nacional de Poesia da Vila de Fânzeres que volto  a sublinhar e, mais uma vez, registar o meu agradecimento pela amizade, pelo carinho, pela forma como fui tratado pela organização do Prémio, que culminou numa cerimónia com música e poesia na Casa de Montezelo, com apresentação do livro pela Cláudia Maria Neves e excelente declamação de alguns poemas selecionados por Cidália Santos.

http://www.fanzeres-saopedrodacova.pt/index.php/noticias-2/noticia/34-destaque-2/1910-premio-nacional-de-poesi

https://www.wook.pt/livro/des-existir-do-improviso-luis-bento/22239960




sábado, 15 de setembro de 2018

TEMOS LIVRO!





Lançamento do Livro vencedor - da 27.ª edição do Prémio Nacional de Poesia da Vila de Fânzeres


"Des Existir do Improviso", de Luís Bento 30 de setembro | 21h30 | Casa de Montezelo.

A Cerimónia contará com um momento Musical e declamação de Cidália Santos.


No final será servido um Porto de Honra

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

CENTRO DE ESTUDOS MÁRIO CLÁUDIO





O meu texto "A Pintora em Festa", foi incluído na Antologia de Contos 2018 do Centro de estudos Mário Cláudio o que me deixa orgulhoso e reconhecido. Grato ao júri e à organização!


quarta-feira, 18 de julho de 2018

VACA LEITEIRA






A gerência deste blog adverte que qualquer semelhança entre este personagem e uma "vaca leiteira" é pura coincidência do foro bovino.

sexta-feira, 29 de junho de 2018

NADADOR SALVADOR





Escritores desempregados, candidatos a emprego sazonal como nadadores-salvadores no litoral alentejano, pensam em metáforas e metonímias sobre o mar enquanto salvam pessoas.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

27ª edição Prémio Nacional Vila de Fânzeres 2018






http://fanzeres-saopedrodacova.pt/index.php/noticias-2/noticia/34-destaque-2/1832-luis-bento-vencedor-de-poesia


A Junta das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova anuncia com agrado, que o concorrente Luís Alberto Gonçalves Bento foi o vencedor da 27.ª edição do Concurso Nacional de Poesia da Vila de Fânzeres, com a obra “Des Existir do Improviso”, pseudónimo Miguel Barbosa.
O Prémio Nacional de Poesia, com início em 1990, conseguiu afirmar-se nesta jovem Vila – Fânzeres, tendo conseguido ultrapassar, quer as fronteiras da freguesia, quer do concelho de Gondomar, com concorrentes de todo o território Nacional.
É com enorme alegria que verificamos o aumento de participantes nesta 27.ª edição, tendo já ultrapassado a meia centena, facto que já não se verificava há mais de 20 anos, bem como a excelente qualidade das obras apresentadas, facto salientado pelo júri.
A Junta de Freguesia, motivada também pela crescente participação e carinho demonstrado pelos concorrentes ao longo destes anos, pretende dar continuidade a este prémio, valorizando todos aqueles que têm uma grande paixão por este género literário.
Queremos, por último, agradecer a colaboração inestimável dos membros do júri, Luís Fonseca Raimundo, editor executivo da Chiado Editora, Professoras Maria Olinda Soares e Maria Augusta Lopes, que que com entusiasmo e dedicação, analisaram as obras apresentadas.


Surpreendido e muito feliz, é como me sinto por ter sido distinguido com a 27ª Edição do Prémio Nacional da Vila de Fânzeres. Recebi a notícia no dia da defesa da Dissertação de Mestrado, uma grata surpresa que tornou o meu dia bem melhor. Resta-me ainda agradecer o carinho, a simpatia e a condução do processo burocrático por parte da Drª Maria José Cardoso. Uma distinção que, obviamente, constitui um excelente incentivo para mais produção literária.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

TODOS OS DIAS SÃO MEUS







Acabei de ler, de um fôlego, o livro “Todos os dias são meus” da autoria de Ana Saragoça, actriz, tradutora, escritora, mulher de sete ofícios, editado pela Planeta e digo de um fôlego porque a história, que se desenrola num prédio onde ocorreu um crime, escrita com grande mestria, nos empurra, página após página, para a necessidade de descobrir o culpado, o quanto antes. O ritmo é vertiginoso, todos contam a sua história com ironia fina, da porteira ao quadro da empresa, da namorada do engenheiro que deixa a polícia com calores aos gémeos hiper-activos, à excepção da vítima, num tom lento, terra a terra, apagado como toda a sua figura. Ficamos a saber quem foi o culpado umas páginas antes do fim, superiormente construído. Com prefácio de Mário de Carvalho, o livro sendo leve, tem argumentos de peso na forma como a autora nos revela o absoluto domínio com que brinca com as palavras. Dizem que é o primeiro romance. Aguardamos, com ansiedade, pelo segundo…

segunda-feira, 7 de maio de 2018

NOS 200 ANOS DE KARL MARX

Pinterest
Só Karl Marx com o seu materialismo dialéctico e a exploração do homem pelo homem estava certo: tudo o que existe e move o mundo é material. Tudo o que existe e é material, e faz mover o mundo leva à exploração do homem, assim, se desmaterializarmos, na essência e na substância, aquilo que faz mover o mundo, conseguimos explorar o homem sem ele dar por isso…é a essência e a substância das redes...

quinta-feira, 3 de maio de 2018

RETRATO DO ARTISTA QUANDO JOVEM





Retrato do artista quando jovem...

E quando "vamos à terra" e descobrimos, na casa da avó, aquela fotografia de fevereiro de 1966, dos "Studios Silva Couto", em Campolide, onde hoje existe um cabeleireiro. Tradicionalmente, a fotografia era tirada ou a simular um telefonema, agarrado ao aparelho ou com um peluche. Marketing e modas de outras eras...

segunda-feira, 23 de abril de 2018

FRAGMENTO



Medium

Sou um fragmento sem explicação, sem porto de partida  nem ninguém para esperar à chegada.  Somos vítimas do abismo feito de lençóis e da vontade do verão em querer ir embora, uma improbabilidade matemática na poeira cósmica e infinita do universo, onde só interessa a linha de crédito a seis meses, sem juros e a náusea que sinto já não sei porquê. Ontem tinha menos anos que hoje, menos rugas e mais paciência. Família? Vai bem obrigado! Ainda acordo, sem grandes certezas, todas as manhãs, ainda moro na mesma rua, na mesma casa, no mesmo corpo.
Desencontrámo-nos. O tempo corre depressa, eu penso devagar
E nesse hiato poético,
Anoiteço.


quarta-feira, 11 de abril de 2018

EXCELENTÍSSIMO SR. DR.RONALDO DAS FINANÇAS


HenriCartoon


EXCELENTÍSSIMO SR. DR. RONALDO DAS FINANÇAS

A minha tia da parte da minha mãe dizia que eu levava jeito para a escrita e para incomodar os “grandes” com assuntos desagradáveis, para além disso sou também doente oncológico, desempregado de longa duração e bom observador. Constato, por isso, com relativa facilidade, que vossa excelência domina com excelsa mestria, a conjugação dos verbos com a terminação em “AR”, a saber: Cobrar, Pagar, Identificar... Vem isto a propósito do facto de vossa excelência ter afirmado, recentemente, que tinha identificado o problema da quimioterapia pediátrica do Hospital de São João no Porto, ora caríssimo Mário Centeno, o que se pretende não é que o senhor tire o bilhete de identidade ao problema, mas, tão só, que se disponha a usar verbos com outras conjugações terminadas, por exemplo, em “IR”: Intervir, Agir, pois creia-me vossa excelência que essa minha tia, coberta de razão, achava que os afazeres de um político se mediam pela bitola de um “vulgar de Lineu” administrador de condomínio: receber as quotas e proceder à manutenção do edifício com os elevadores a funcionar. Ora, na prática, acredito piamente que se tenham lembrado de lançar esta notícia cá para fora, para mostrar “àqueles gajos do teatro” que não há dinheiro para a cultura, boa malha! Que nisto da política, há quem diga que é a arte do possível, opinião partilhada pela minha tia, que acreditava serem (alguns) políticos verdadeiros artistas. Eu já não reclamo com a falta de papel higiénico nos WC’s de alguns hospitais ou que a enfermeira não tenha agulhas finas e espete, na mão, um ferro digno de aplicação equídea quando vamos às consultas, mas as crianças Senhor… apanhadas por uma doença traiçoeira ainda terem que ganhar calo e resistência para aquilo que vão suportar nos hospitais do SNS na vida adulta é que já é demasiado. Por isso, e para concluir, sei que vossa excelência, no atapetado vetusto dos gabinetes ministeriais não se apercebe que esta situação dói mais que o diferencial entre 0,7% e 0,9% do deficit “para inglês ver”, mas veja lá, pela sua saudinha, se brevemente começa a conjugar o verbo “libertar verbas para os Hospitais”…
De Vossa Excelência
Atentamente
LB

quarta-feira, 21 de março de 2018

POESIA DA PRIMAVERA



Belhoula Amir


Dentro de um verso cabe, praticamente, qualquer coisa…
Do banal à substância,
Sobra o vinho e o verbo, os nossos corpos em brasa
E o amanhecer que ainda dorme.


sexta-feira, 2 de março de 2018

GENTE SÉRIA




Casa cheia, num final de tarde, na Livraria Ferin, ontem, dia 1 de Março. Hoje, dia 2, já está lido. Retratos de uma época, épocas, episódios que reconhecemos dos tempos em que "íamos à terra", numa escrita por vezes dura e sarcástica, frequentemente observadora, de tal modo nos transporta para os espaços onde se move a riqueza das personagens criadas com esmero que nos obriga à leitura compulsiva.
Um caso sério... de literatura!


sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

CENTRO DE EMPREGO



Fredrik Raddum




É assim que nos sentimos depois de uma entrevista no Centro de Emprego...

Imagem: Fredrik Raddum



quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

ATHENA



Adicionar legenda
"Athena existe sem subsídios e é totalmente independente. As velas brilham e o ar está puro."

A minha crónica na Revista Athena:



A REVOLUÇÃO – por Luís Bento

Ao certo não sabia qual fora a deixa para entrar em cena. Se o sorriso precário marcado a amarelo torrado, difuso e cinza do tabaco, se a singeleza da herança genética.
O pai exasperara-se com a progressão linear, sempre às arrecuas, para uma existência chã e sem brilho, e demandara por Lisboa para emendar a vida acabando por gretar as mãos nos andaimes. A mãe a servir em casa de uns senhores, embevecida com as histórias que ouvia em serões de tertúlia sobre os feitos e bravatas de Gonçalo Mendes da Maia –  O Lidador – Achara-lhe graça, juntara os trapos e baptizara o rebento com o nome de Gonçalo, a desaguar num castrador Gongas longe dos desígnios de sucesso e grandeza, sem direito ou recurso a contestação, com Deus a brincar com a sua inocência e o destino a passar rasteiras.
Para além da singeleza da herança genética, fintara letras e algarismos na escola, tirando a ferros, distinta formação em sessões contínuas de matraquilhos. Dali até à idade legal passara menos de um fósforo e aí arranjara trabalho na fábrica de cablagens, acabando por perdê-lo na idade madura e derretera, no imediato, todas as esperanças. Vivia na ignorância, a manifestar-se pelo escárnio e pela agressividade a cujo binómio complacente juntara o ócio e um grão na asa ocasional.
Farto de ruminar apetites e vontades ao ritmo afiado do infortúnio, com duas prestações da casa em mora e o gás por pagar, mais uma série de minudências dessas com paradeiro incerto, decidira-se pela revolução numa noite de borga, escudando-se para isso, no sólido argumento de duas grades de “mines” com o qual convencera dois vizinhos, convictos benfiquistas, sempre prontos para a pancada. Fiat Uno de mil novecentos e noventa e quatro, uma granada de recordação da Guiné, uma faca de mato de ir às lapas nos pontões da Cova do Vapor e a “flóber” que o padrinho lhe oferecera à entrada da adolescência. De olho nos preparativos do exército, a mulher assomara à janela do primeiro andar, ainda a limpar um pratinho da extinta cerâmica de Sacavém com o desenho de um cavaleiro empinado, brandindo uma espada, que o tio coxo encontrara numa obra em que mandou umas paredes abaixo, movida pela curiosidade daquela saída extemporânea ficando a saber que  eles iam a Lisboa fazer uma revolução que já era tempo… Encolheu os ombros entre o enfado e a saturação e lembrou-lhe que, de caminho, passasse pela Damaia lá por casa do sogro e pedisse vinte “éros” para que não lhe cortassem o gás no dia seguinte.
De vez em quando, apesar do esforço, não se furtava à visita de médico que o passe social lhe permitia. Lá ia ele, com o saquinho da Zara com o tupperware dos restos do almoço, suportar, no olhar, o peso da reprovação pelo plasma, o telemóvel, o aparelho dos dentes do miúdo, mais o gajo do banco a ligar por causa do buraco na conta,  cratera sem fundo, à sombra de juros, mora e comissões que lhe reduzira o orçamento à condição de destroço. Achava que chegara a hora de contrariar o destino, os anos de ócio e imprevidência.
O carro transpirava fadiga dos metais na descida da rampa dos cabos de Ávila, num esforço digno de registo no manual de mecânica, rangendo fissuras e desequilíbrios quase a chegar aos oitenta com o vento pelas costas. O plano fora delineado pelo caminho abrindo garrafas a eito, sem dó nem piedade: tomar de assalto a RTP anunciando aos microfones a revolução e tomada de reféns se fosse preciso.
Roncavam, a sono solto à entrada dos emissores quando, ao amanhecer, sentiram umas pancadas secas e vigorosas no vidro do condutor e um olhar farejador e inquisitorial ornamentado com uma farda da Securitas a demandar sobre o que se passava ali.
A manivela a baixar o vidro que só desceu pela metade e o Gongas, ainda estremunhado, a esticar o pescocinho fino e esguio e a inclinar, com sacrifício, a cabeça pondo a testa de fora e, de olhos semi-cerrados, a articular aos bochechos que vinham fazer uma revolução…
Pois vão lá revolucionar para outro lado!! Andor que isto aqui não é a Santa Casa!!
O Gongas olhou para os companheiros esbugalhados, as grades de mines vazias e a vontade aflitiva de mudar a água às azeitonas e aceitou, e agradeceu, com um aceno reverencial, o empurrãozinho para ajudar o Fiat a pegar decidindo, naquele momento, abortar o golpe de estado. Na descida do Monsanto deu uma olhadela de soslaio ao ponteiro da gasolina a cavalgar a reserva e viu que ainda ia muito a tempo de meter para a IC19…
O sol já despontava e o trânsito começava a engrossar. Se se despachasse, ainda o apanhava, era só suportar o tal olhar, um saltinho à Damaia e… sacar vinte euros ao velho para não lhe cortarem o gás…



sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

ESCHER LISBOA




Quanto mais de perto se olha uma palavra mais ela nos olha de longe.

Karl Kraus


sábado, 20 de janeiro de 2018

UNDER THE COVER





Recentemente, numa visita à Gulbenkian, descobrimos a UNDER THE COVER, uma loja de publicações independentes, de grande qualidade,  num espaço muito agradável que convida a explorar as novas vanguardas e onde a dificuldade reside na escolha do número de exemplares a adquirir. Da experiência, fica aqui a entrevista que a UNDER THE CONVER concedeu ao nosso blog.


1 – Como surgiu o projeto Under The Cover?

A loja under the cover abriu portas em Dezembro de 2015 por iniciativa de Luís Cunha e Arturas Slidziauskas, mas o projeto começou a ser delineado quase um ano antes. Algo que tínhamos como certo desde o início era fazer algo que gostássemos na nossa vida pessoal. Sempre tivémos uma paixão por revistas e publicações independentes, e sentimos que havia um espaço por preencher na cidade. Viajámos e procurámos inspiração noutras lojas do género espalhadas pela Europa, e assim nasceu a under the cover: uma loja especializada em publicações criadas para inspirar o leitor.

2 – Na sociedade atual em que, apesar de haver maior quantidade de meios de comunicação, a vertigem do tempo impede as pessoas de ter um maior contato direto, o tipo de revista como a que encontramos na Under The Cover poderá ser uma forma de resistência?

Acreditamos que numa sociedade pautada pela rapidez dos  acontecimentos e em que os objetos perdem a palpabilidade, momentos em que desconectamos e folheamos pausadamente uma revista, são um privilégio que não deve ser negado e uma necessidade para o bem-estar. É um hábito simples que tem um incrível potencial de melhorar o nosso dia.

3 - Que pensa do livro e da revista digital? Teme-os ou, pelo contrário, acha que poderá ser um complemento?

Ao contrário do que se poderia pensar, as plataformas digitais têm sido as melhores aliadas das publicações independentes. Prova disso são os inúmeros exemplos de revistas que nascem secundariamente a plataformas digitais: Hypebeast, The Rolling Home, A City Made By People, Printed Pages... O meio digital é excelente para testar modelos a custos reduzidos. Se o formato digital reúne popularidade e tem os seus fãs, transitar para o papel é um passo menos arriscado. Estas plataformas têm sabido aproveitar o formato físico enriquecendo a experiência de leitura e oferecendo conteúdos que não são possíveis obter através da internet.

4 - Como se gere um negócio livreiro deste tipo?

É com muito prazer que fazemos o que fazemos, temos por isso dificuldade em vê-lo como um negócio. Grande parte do nosso tempo é passado na pesquisa de novas publicações e na curadoria dos produtos. Estamos especialmente atentos ao que se está a fazer de mais vanguardista na cena editorial internacional. Este é um mundo novo para nós, e ainda estamos a apender com os nossos erros e sucessos. Em última instância, são os nossos leitores que ditam se estamos a fazer bem o nosso trabalho. Eles estão na nossa mente na tomada de qualquer decisão e é a eles que temos que a agradecer tudo o que construímos.

5 - Que livros e outros materiais podemos encontrar na sua livraria?

A under the cover é uma livraria contemporânea. Disponibilizamos livros, e principalmente revistas internacionais, que fazem uma abordagem fresca e irreverente de temas como a arte, moda, design, fotografia, gastronomia, viagem, música, sociedade, estilo de vida, etc.

6 - Para terminar, fale-nos um pouco sobre algum episódio especial ou fora do comum que tenha sucedido na sua atividade, do espaço e onde se situa, para que os nossos leitores a possam visitar.

A melhor recompensa que podemos ter é  o reconhecimento de quem nos visita. Ver alguém tão entusiasmado com as publicações como nós próprios, e que encontra nelas motivo de inspiração. E depois há aquele momento, que fecha um círculo, em que alguém que descobriu uma revista no nosso espaço, acaba por escrever para ela. Isto já aconteceu antes e nós esperamos que aconteça muito mais vezes. É desta relação próxima entre editores, contribuidores e lojistas que o mundo das publicações independentes é feito.

Convidamos todos a visitarem-nos e encontrar inspiração nas páginas de uma revista. A loja está localizada em frente a uma das saídas do Jardim da Fundação Gulbenkian, na Rua Marquês Sá da Bandeira 88b. Os nossos produtos também podem ser adquiridos na nossa loja online em www.underthecover.pt

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

JANEIRO DE 2056



 
A crónica desta semana na Revista Caliban:



Eles viviam em união de facto, há mais de quarenta anos, desde que se conheceram na colónia C2C de Marte. Uma tarde, quando se encontravam a descansar na sala, o sensor do sinal vital emitiu um alerta sobre ambos e ordenou que se dirigissem ao Centro de Atendimento de Longevidade Elevada. Aí chegados, a equipa de enfermeiros aplicou o scanner para leitura digital que elaborou, de imediato, o diagnóstico preciso, rigoroso e incontestado, com validação final do robot de serviço. Os dados foram comunicados à administração do Centro, aos Serviços Administrativos do Ministério do Bem-Estar Social, da Segurança Nacional, do Recenseamento Demográfico e das empresas de distribuição de notícias, consumo e fornecimento de serviços básicos, bem como à Associação de Supervisão de Robótica.
No Centro de Atendimento de Longevidade Elevada, foi-lhes comunicado que a gravidade da doença detetada, apresentava uma reduzida esperança de vida, não ultrapassando, com cem por cento de probabilidade, os sessenta dias, o que implicava o uso de medicação e meios técnicos de suporte artificial de vida, muito avultados, só autorizados, em casos excecionais, a casais jovens e crianças. O robot elaborou o orçamento e providenciou a autorização e impressão de dois Vauchers para transporte e comida e um item de consumo indiferenciado, com validade de doze horas.
Apanharam um fast-táxi e na loja estatal de consumo standard-hermético, perto do edifício onde moravam, esgotaram o valor do Vaucher na compra de faisão, caviar, trufas, um néctar da Provença premiado com várias medalhas de ouro e um ramo de flores. Já em casa, o robot Homefriend da série II encheu uma jarra com água para colocar as flores, pôs a mesa e foi abrir as camas. Comeram em silêncio, foram deitar-se, despediram-se e o prestável Homefriend série II desligou o serviço de domótica. Na manhã seguinte, o Homefriend série II abre a porta a dois homens de farda azul-marinho, que se apresentam como funcionários da Secretaria de Estado da Orçamentação do Bem-Estar Social, com um tablet, para leitura de uma comunicação do secretário superior e reconhecimento facial.
Seguindo os procedimentos, é-lhes aplicada uma injeção-laser com um composto atordoante de não-retorno.
Morrem em paz e sem dor. Com a ajuda do prestimoso Homefriend série II enfiam os corpos dentro de sacos pretos, selam-nos e colocam-nos numa carrinha de transporte e combustão. Contornam o quarteirão e entram na marginal junto ao rio. Os corpos são incinerados em andamento. Param junto ao Padrão Comemorativo da Colonização de Marte e atiram as cinzas ao rio. Os dois funcionários voltam a entrar na carrinha de transporte e combustão, leem no computador de bordo a nova mensagem que chegou da Secretaria de Estado da Orçamentação do Bem-Estar Social, fazem uma curva de cento e oitenta graus e seguem em direção à casa de uma mulher de trinta e cinco anos, que tem um filho menor com cancro…


quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

NERVO





NERVO* (do latim nervus; substantivo masculino)
Cada um dos órgãso em forma de filamento, que ligam o sistema nervoso às outras partes do corpo e servem de condutores da sensibilidade e do movimento.

Chegou-me hoje, pelo correio, a revista Nervo, um colectivo de poesia organizado e editado por Maria F. Roldão. Uma irrepreensível composição conceptual e gráfica onde se reúnem quinze poetas e dois artistas plásticos de seis nacionalidades. Numa era em que cada vez se lê menos literatura "séria" como recentemente me confidenciaram, é de louvar este novo espaço de divulgação de poesia contemporânea, alcançando "o que de mais aprazível se escreve e produz no meio literário  actual, nas diferentes gerações de poetas", defendendo os valores da liberdade, pluralidade estética e hedonismo criativo. Como...

"Água-de-poema
a cair sobre as páginas
Seixos
de sede
saciada."
Maria F.Roldão



E A VIDA CONTINUOU




Chegou-me, hoje, por correio "E a Vida Continuou - Incursões na Loucura de uma Existência Normal" de Mário Jorge Almeida e já o li. Para quem pensar que os bancos são instituições de gente séria a gerir fortunas no conforto dos gabinetes, tem que ler este livro para perceber como um "Danny Devito" lê enciclopédias na casa de banho para decorar palavras caras para as reuniões que dirige, ou um "esparguete" que arranjou emprego à conta do irmão e conseguiu rebentar com uma corretora e despedir quase um terço dos funcionários de um banco. Pelo meio há sexo, muito sexo, má gestão e picardias. Só assim se percebe a hecatombe do panorama financeiro português. Uma viagem pela memória, pela adolescência, pela banca dos anos oitenta até aos nossos dias, Moçambique e a descolonização, num tom irónico, por vezes jocoso, um retrato da mediocridade que grassa nalguns setores, resultado de uma vontade e de um novo recomeçar...

"Não obstante ser clara a noção de valores e decência ou ausência total deles, que podemos intuir relativamente à atitude de uma empresa que durante a Quadra Natalícia decide despedir coletivamente perto de 150 empregados, alguns dos quais, (...) com mais de 50 anos de idade, (...) a verdade é que sem esta nova situação em que me encontro, escrever este livro teria permanecido no mesmo estado de projeto eternamente adiado em que se encontrava desde há quase trinta anos."