Imagem de Nick Vesey

Imagem de Nick Vesey

quarta-feira, 27 de junho de 2012

PERSPECTIVAS I


A PERSPECTIVA DELE:

O bar estava compostinho, ambiente cosy , espaço predilecto de trintões e quarentões, empregados discretos e solícitos. Guilherme escolhera uma mesa num canto, de frente para a entrada, o local proporcionava-lhe visão privilegiada sobre toda a sala. Noite de sexta-feira, a mulher fora em Jornada de trabalho da junta de accionistas da empresa, esperava encontrar ali um consolo, uma companhia para os lençóis da luxúria e acabar a noite numa ginástica de cambalhotas intermináveis. Rolando o copo de Gin tónico entre as mãos, do alto dos seus metro e oitenta de Burberry's casual, exibia uma pretensa solidez financeira como isco para o seu charme movido a Old Spice…A fome começava a apertar, o tempo era escasso, a mulher regressaria sábado no final do almoço, a conquista tinha que ser rápida e fulminante… deteve o seu olhar libidinoso e felino de gato manhoso a miar em viela escura, na figura feminina no canto diametralmente oposto ao seu. Mulher, na casa dos trinta, bonita, só frente a um copo… fruta da época pronta a colher…” Boa como o milho toda produzida, boa todos os dias, sozinha... hum… emancipadas emancipadas, mas depois vêm em busca de companhia… deve trabalhar num escritório… casa alugada em conjunto com uma amiga…muito sucesso no trabalho, mas homem nicles…não faz mal…Liedson resolve…” Guilherme levantou ligeiramente o copo numa pose estudada e balofa acompanhada dum aceno de cabeça…a figura feminina correspondeu e exibiu um meio sorriso…Guilherme não mais tirou os olhos da presa…de vez em quando ia vendo a reacção dos presentes, gostava de ser discreto, não dar nas vistas, não fosse outro mais afoito abocanhar-lhe o naco…à medida que a excitação em forma de inchaço ia aumentando, a impaciência ia tomando conta dele…Terrível! Agora que tinha deparado com uma gaja boa…sentia-se desconfortável na cadeira, menino mimado exigindo o brinquedo de imediato, os olhares e os gestos apontando para a porta iam aumentando de intensidade… ela pareceu esboçar um aceno de cabeça enquanto olhava em redor… - Perfeito! - divagou Guilherme…a noite está feita…é melhor não dar nas vistas espero à porta do bar…espero que ela saia rápido…lá fora está um vento e um grizo do caraças…

A PERSPECTIVA DELA:



Helena tinha escolhido uma mesa no canto do bar…não era intenção sua afogar mágoas num copo de Wisky... lágrimas… tinha derramado calçadas em dia de chuva…apenas um ponto de ordem á mesa da paixão…fora ali que conhecera Ricardo, sim era casado, sim…o coração racional de mãe galinha tinha-lhe dito: “ele nunca vai deixar a mulher, são muitos anos.” Pois sim, mas aquele olhar, aquele humor, aquela maneira terna e forte de tocar , aquele ar de menino/homem faziam-na sentir uma mulher especial, faziam-na sentir: a mulher!...dez anos mais velho, colega de trabalho, insatisfeito com o casamento que há muito se tornara campo de batalha verbal por qualquer palha ou erva daninha…aquele olhar era o olhar de um homem apaixonado,,. a navegar para o mesmo rumo, juntos, segurando o leme do barco que pretendiam levar para bom porto, de preferência, seguro e distante… Não lamentava, apenas dava como perdidas as horas de entrega total, o entusiasmo na busca de casa para ambos, a compra de acessórios e bibelots para a nova casa…É Ricardo... uma mulher quando se entrega é contra tudo e contra todos… acredita no olhar, nos gestos e nas palavras…”precisavas de mais tempo para lhe contar”… dei te minutos, precisavas de “escolher o melhor momento”... e eu somei mais uns ponteiros no mostrador de um relógio que teimava em trabalhar…”Amo-te muito” foi frase que vomitavas na constância dos ritmos frenéticos com que nos amávamos no patamar entre a Contabilidade e a Informática, no final apenas querias saciar a fome em várias posições…ao menor sinal de projecto em comum, de vida única preferiste voltar para o comodismo da camisa engomada apesar do cheiro a fritos e dos rolos no cabelo… pois que tenhas saciado a pança... que te faça bom proveito ou diarreia descomunal… para o caso, pouco me interessa o teu desarranjo intestinal... és tu que perdes mais a desgraçada que contigo vai coabitar até que a morte vos separe… não percebes pois não? Uma mulher quando ama entrega-se sem receio do futuro ou das vozes dissonantes…o homem corre a abrigar-se na toca, por mais funda ou fria que seja, ao menor sinal de rumor negativo…o que me dói não é a solidão sabes…o que me dói é que pensava seres a minha cara metade e, afinal revelaste ser a outra face de uma moeda sem valor na bolsa da vida…que é isto? Era o que me faltava aquele parvalhão a olhar para mim…não pode uma gaja estar a beber um copo sozinha…que..."ou quer encosto ou é vaca a matar cabritos". E ele insiste… agora não pára de acenar, deves pensar que és o Brad Pitt da Madragoa. Pensam que basta um palminho de cara para nos levar à certa… levantou-se… uff… vai-se embora…vou acabar a bebida... só preciso de um abraço forte, terno e um aconchego no casaco para me tapar os ombros… lá fora, o frio, em rajadas finas, corta-nos a alma em pedaços…

(continua)